segunda-feira, 15 de maio de 2017

Believe.



Canne's Model.humming.alone.

I wanted to believe that you was mine
I wanted to believe that you would be ever by side
I wanted to believe that's quite allright
I wanted to believe that was love and not a fight

I wanted to believe that you needed more
I wanted to believe that you haven't room for no one
I wanted to be another slave
I wanted to forget and 'get over all this pain

J-S-H#E

I wanted to say that it was kind
I wanted to believe that my mistakes pushed out your line
I wanted to be sailing to distant shores
I wanted to this boat stop sinking not opening more holes

I wanted to be really a different man
I wanted to be free and make you whole world joyfull again

But both of us know that it was wrong
But both of us needed to be living on your own
And both of us just need a break to hide
And yeat both of was belived that was love af first sight.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O Rio.


Canne's Model.Nbb37.


Banha-te em mim, ó chuva de sangue!

Eu sou o rio, Eu sou a dor da maré.
Eu sou o rio, que chora a enchente devastadora.
Eu sou o rio, sou o sorriso da serpente.
Eu sou o desejo da calmaria, contendo a fúria da corrente.


Os ventos derrubam o bastião do forte, e dejetam a mim seus esgotos!
Turva superfície que resguarda, os destroços de naufrágios incautos
Trocam-se as peles, descem rumo à fumaça no breu da noite.
Apenas em um mundo desesperado me vi livre.

Toma-me os receios, ò metamorfose da lua!

Eu sou o rio, Eu sou a dor da maré.
Eu sou o rio, que chora a enchente devastadora.
Eu sou o rio, sou o sorriso da serpente.
Eu sou o desejo da calmaria, contendo a fúria da corrente.

Tomando o leme no restauro d'alma.
Sombras dançam no véu da aurora, despejem à mim seus grilhões
Celebra a vida que renovada pela água, mesmo ante o pesar.
Anuncia amedrontada o facho, da torre distante.

Morre em mim para renascer, ó desesperado...

Eu sou o rio, Eu sou a dor da maré.
Eu sou o rio, que chora a enchente devastadora.
Eu sou o rio, sou o sorriso da serpente.
Eu sou o desejo da calmaria, contendo a fúria da corrente.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Canne's Model.ana'soyksong


A Canção do Mar Morto.

Ainda ouço o chiar e ressoar do vento, embaindo minhas reflexões.
Os embustes de palavras e gestos, miragens perdidas me vêm em abundância.
Ainda ouço a cação da garoa mimosa, trazendo a meus pulmões o sal de tais causos.
Os deleites antes corriqueiros, hoje me são negados por ausência de afeto.
Ainda ouço a melancólica partitura, do pulsar do peito inflado em ternura.
Ondas cinzentas chacoalhando memórias inibem-me a concentração diária.
Ainda vejo a folha cair, entretanto a mão que a guia se obscureceu.
Retalhos de um paradoxal personagem empilham partes de seu texto lúgubre.
Ainda ouço o brado feroz, de profusos alertas de aflições pretéritas.
Ainda ouço, mas não os escuto.
Ainda sonho, mas não as vislumbro.
Ainda sinto, mas não regozijo destes.
A Canção do Mar Morto me atingiu, e caído eu permaneço.
Ainda que a deriva me sinta, acorrento-me a ela com alacridade temerosa.
Aceito o que acredito ser credor, anseio que tortuosa expiação seja digna de tal melodia.

Marretam-me os brios de uma sentinela velada, e a personagem toma-me a voz, vida e medo.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A Casa Vermelha.

Canne's Model.thepepperhouse.



Podia criar-te uma casa.
Escolher suas janelas e paredes?
Colher flores e delas pigmentos e aromas.
Acompanhando certa nostalgia, ou mágoa...
Mas não saciaria a voluptuosa sede!
Imaginando quanto tempo mais viveria em coma.
No entanto me restava apenas a casca.
Os porões de vazio, os desafinados falsetes
Sua sombra e esqueleto de uma volta árdua
Ao acaso, deixadas na cama ao lado de quem acorda.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Canne's Model.redecorar


Dama do Tempo

O mal que pega, afasta, e comprime
O instante fulgás, do rasgo da carne
Responde o acaso da faca que impune
Concentra-se em dividir meu cansaço
A dor, o medo da cena do crime
Meu corpo não sente, sucumbe e apaga.


 O mal que pega, nos leva pro canto
Nos canta segredos enquanto aturdia
 Esconde seus medos na casa ao lado
Acorrenta o dia, a noite a madrugada
 Desligando a intenção de fugir na surdina
 Afasta segundos impróprios da imagem.


 Revidando o dia, revira a alvorada

    O mal surpreende e
Apreende meus desgostos em poucas palavras
    O mal que me testa
Veste-me de negro, e encontra o descaso
    O mal me permite enfim falar
" Mas eu só me entrego com uma condição:

Que me deixe um cigarro, ali perto do corpo no chão."

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Reitero, Alitero. Respondido o Repetido.

Canne's Model.concluir




Queria ler
Teus olhos grandes e confusos me abstraindo-me de tudo.
Queria ser
Teus risos espontâneos e absurdos em céleres minutos,
Só iria ver
A verdade quando tua boca calasse a minha num flash, escuro...

E agora mais do que antes eu que sempre acreditei!
Em ser o indivísivel painel de mil e um amores em cores que desperdicei.

Que eu deixava fora de mim...
(Brincando com o sentido de ser assim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Deixando teus desejos guiarem meu  fim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Desperdiçando aquilo aqui dentro, que não é ruim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Brincando com o sentido de ser assim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Deixando teus desejos guiarem meu  fim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Desperdiçando aquilo aqui dentro, que não é ruim, EU!)


E antes o iponente era  o doce cheiro de morfina.
Mas nada vai me abalar à não ser a falta daquela menina.

Simplesmente sabendo da auto-piedade que  não há mais em você do que importa,
Pra densconstruir o eterno prazer de ser aquela lembrança que ama o fato de não conseguir se esconder ...

Que eu deixava fora de mim...
(Brincando com o sentido de ser assim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Deixando teus desejos guiarem meu  fim, EU!)
Que eu deixava fora de mim...
(Desperdiçando aquilo aqui dentro, que não é ruim, EU!)

domingo, 18 de novembro de 2012

Contra-luz.

Canne's Model.desconsiderar.
 
Daqueles momentos preciosos em que ficávamos a sós,
Retirei uma ou várias curvas e as memorizei em silêncio
Orgulhoso de ser o alvo da insensatez  de sermos "nós".
Gritando para alguém que há muito deixou de ser relevante
Aquele ser distante,  efêmero...
Ser este que de tanto ser quebrado, tornou-se:

Este gracejo de objeto inerte, isento de auto-estima.

Roubando pensamentos alheios para se fazer existir,
Amargando o desconhecido como se fosse de fato real.
Imaginava tirar o véu cobrindo as faces que antes ficavam aqui
Vil e enlouquecido comendo migalhas de um falso e vazio MAL
Aporta em uma ilha discreta por ser tão pouco habitada.

Da alta exposição, da menor velocidade em asas que não se prendem aos meros meios digitais.
Eu te comparo àquelas tardes rio acima, sem esperar respostas ou termos complicados
Num plano onde apenas o cheiro êxtasiante de morfina e almíscar criariam minhas noites
Quando a tarde já serpentearia escravizada, quando as manhãs e mãos não mais existiriam.

Seria assim tão simples, a margem e as barcas contra-luz.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Canto.

Canne's Model.abouthatstrangermadnesswhoovertookme.


No silêncio ela fala,
Coisas quase sem sentido
Cala, e que sentido há de existir
Sem espaço pra servir de aviso?

Eu que escutei o silêncio
Atenuei toda essa situação,
Ao não ser quem deveria
Fiz de meu ego, a própria prisão.

E na ausência de palavras "ditas",
Escrevo,
Cama, Vida, Medo.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Caçar meus próprios tesouros.

Canne's Model.tryngsomethingnew.

Como se a lua pudesse ser mais disconforme ?
Ante os mil pesadelos diurnos que escapei.
Recuperando a mim passo-a-passo aqueles versos
Lá no fundo desconexo de um baú perdido por quem? Não sei.

Ah! se eu encontrasse tamanho tesouro.
Não deveria refletir por já ser eu o mais cauteloso?
Obrigaria-me a cumprir minhas vontades e
Bradaria ao ver que no baú não havia prata ou ouro.

Respiraria então o agridoce e amargo trajeto à superfície.
Escutando um gemido incólume à distância, perdendo outra, e mais uma chance.

domingo, 21 de outubro de 2012

Reescrever

Canne's Model.theonlycardIneedistheaceofspades (8)


Maquiavélicos anos que me alcançaram, destruíram o pouco que não tinha de criatividade, responderam por mim diante de todos os planos e toda a existência se esvaiu em decepcionante escolha, entre minha sanidade e meus últimos medos.
Porque avivam-me em prantos, ou sumos menos costumeiros por  menestréis que antes embalavam minhas trovas e que já não irão conseguir meu desprezo. Antes que compare os estúdios e salões da boêmia estadia, não mais me concerne decidir, pois...
Bastaria que deixasse em mãos mais hábeis ( Já levo comigo teus gostos ).
Recomeçaria um capítulo nunca escrito daquele livro (Já leio teus olhos mais do que gostaria).
Estudaria milhares de formas de iluminar-te (Já encontro paz em teus mil pensamentos).
Negligenciaria à mim, como em tantos casos o fiz ( Já contagio meus hábitos e ritos noturnos ).
Acabaria com tuas incertezas, se pudesse erguer-me ao caso real, em torno do que desejas.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Política Poética


Canne's Model. em tempos de guerra, se esconda !



Vinde a mim aqueles que têm sede por conhecimento,
Transponham seus medos, suas dores e pudores...
Vinde a mim aquels que não têm vergonha em suas caras
Transcendam a realidade estática, infeliz, burocrática

Eu lhes darei motivos para se entender antes de tudo, antes de todos
Pois serão todos bem vindos, no meu universo semi-etéreo de 'fazer-parecer'...
Para quem não o conhece, não se assuste, não se afobe, não há outro igual!
Onde não importam seus gostos, suas crenças, ou o que já lhe foi real.

É onde todos se escondem, se aliviam e se recolhem, pensam, sonham e se entregam...
Eu vos prometo eterno zelo, por seus mais escusos segredos, e por suas almas descartáveis;

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Conte-me sobre o branco.

Canne's Model.Legacy,Extended.T-1

Muito se pode dizer do Branco, embora sua vastidão seja melhor explorada durante os longos dias do verão, Branco não pode ser compreendido por quem não partilhe de sua harmonia na aurora de cada solstício.

Certa vez Negro o acusou de atrasos, e então, pacientemente, ele aceitou.
Uma noite, Vermelho o causou problemas, disse-lhe que não era digno de um duelo a altura.
Azul o convenceu que deveria se tornar mais sábio.
O Verde se impôs, dizendo ser tão superior à Branco, que o derrotaria em poucos instantes.

E então, ele se ergueu, tornou-se veloz, tornou-se forte, tornou-se sábio e derrotou cada um destes numa luta em campo aberto, sem nunca perder sua humildade e sua paciência.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

E no terceiro mês

Canne's Model.waiting my december.

Quando eu soube de ti, logo te sorri e te abracei
Era quase um afago, não fosse este lago que te encobriu
Mas tua outra parte quase me respondeu que sim!
Todos os anjos e alardes pra este que é um pedacinho de mim.

Quando eu soube de ti, logo te escrevi e então, chorei
Era tarde da noite, era tarde da tarde, e eu já nem sei
Mas quanto tempo mais eu vou ter de esperar para te ver crescer?
Todos os dias e noites eu passo acordado imaginando você.

E eu que estava aqui tão sozinho, não soube evitar de me apaixonar
Não soube ficar mesmo sem teu carinho, não pude esquivar de em ti me alegrar.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Não me deixe a sós com ela...

Canne's Model.insônia pode matar mas eu não vou me entregar =)

Cante como a lua, que se morfa sem parar
Dançe como os ventos que movem de lá pra cá
Beije os lábios com a vontade de quem não irá voltar...


Não posso decerto te ordenar, ou obrigar-te por mera vontade

Sou eu seu ego, me disfarço, e retomo quando o cansaço for minha arma mortal!


Brilhe como a sua TV a uma e meia quando todos dormem
Gire como as folhas secas, caindo e suspirando quando a noite chove
Reconheça seus defeitos, antes que seja tarde e nunca mais importe;

sexta-feira, 5 de março de 2010

Raio


Canne's Model.mazu




High, High Voltage on mine or your mind baby!

(You never call others untill the thunder flames...)

Static, Static Field around you little shade.

(You nevers stop dance untill music fades...)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Ladera;


Canne's Model.Yeah I Know;

Acho que sei saber quando a comida está sem sabor
Enfeitar e criar respostas pra perguntas nunca feitas
É eu sei quando seu mundo, sua vontade já perdeu a cor
E esqueceu da promessa, ou destino de uma vida perfeita.

O ar que enche o peito não é suficiente,
A luz te incomoda e por um tempo dói;
As vozes se confundem entre o estranho e quente
E ninguém parece sentir que perdeu seu sol...

Acho que sei saber, quando não importa quem ou o quê esteja ali
Você só quer desaparecer, fazer de conta que não está, e conseguir;
É eu sei quando seu mundo, sua verdade e seu porto já não existem mais
E lembrar dolorosamente todos os dias, que no fundo só quer estar em paz...

Mas no topo, o sorriso bobo, o andar desengonçado, e a falta do antes
E que coragem é essa que me foge, quando eu julgo ser assim tão importante
Acho que não sei medir, quanto falta pra acontecer, subir e ascender
Mas não vou te deixar cair, quando estiver no precipício me deixe saber

E não vou deixar que vá sozinha, e não vou contar à quem não merece
E eu não quero ir pro fim da linha, e esperar pacientemente a vida que adormece.
Quero brincar do seu novo jogo, quero dançar entre as nuvens de algodão
Quero só ver teu sorriso preguiçoso, e alcançar um espaço pulsante do teu coração...

Mais Antes Recolha Inspiração Histórica;


Canne's Model.iniciais.

À você dedico a penúltima dança, de macabras cortinas e tiros certeiros;

Não vou apontar estes dedos tão sujos, pro teu cabelo de cetim...
Mas não espere baby, que eu assista recluso ao teu doce e amargo fim !

Não e não de nãos e não!

Não deixe que a poeira levante, cubra os olhos rampantes que eu te dei
Enxugue sem piedade este pranto e não lhe conte jamais que eu ajudei!
Não cobre esperanças de uma última lança, ou respostas ao que nunca vêm
Se é cedo ou tarde, irá sempre ser hora, de ascender à quem sempre te quer bem!

E tão cálido sorriso preguiçoso, escondido ante o jogo de sonhar

Fica amarrado à lembrança destes tantos poucos anos que cresceu

E em ti não importa quanta culpa não tens, te daria companhia no inferno,

E o pior de todos os erros é nunca assumir o que já estava ali, e se foi...


Não reclames, não chore, não caia ou se demore
Decida que a menina ou mulher venceu
E sem par sem história, carregue a memória e diga sempre adeus...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Storytallers

Canne's Model.Storytalers

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Get in let me show you, how storytalers are a kind of god or something like that
Trust me you never hold this, burning in your eys, heart and sanity at least

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Ela cruzou meus olhos, com cor de chão batido, trouxe o vento nas saias e partiu sem aviso
Não olhou pra trás ou se adiantou, ela simplesmente posou, marcou e tão logo conseguiu voôu...

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Dreams are strange to decifrate, seems like angel's come to our beds
Put a hand beside your face, and sing to fools songs about dreams and death!

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

Tap tap tara ra ra
Tap tap tap tap tara lala

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Mil Nascentes;


Canne's Model. regressar.

Compreenda a dor de perder o rumo,
Entenda a primeira face do desespero.
Solitariamente esconda, seus desejos mais profundos,
E talvez quando perceba, que o mundo não é seu
Sob as cinzas e chagas do que cedo se foi
Poderás caminhar entre os ventos da morte.

Não tema agora, não irá ser suficiente
A hora inoportuna para alguém te salvar
Se pisares em falso, pode ser fatal.
Mas também pode constar dentre os anjos caídos
Teu nome em vermelho, no livro do juízo final.

Descompasse, deslize, desatine e se entregue
O furacão de fogo que em ti queima e se debate!
Urra, berra! e se contorce para ser liberto...
O medo que causastes em quem em ti confiou
Cresce, ascende, perpetua-se em teu ódio.
Não se esqueça de sempre, apagar as luzes antes de tentar dormir =*

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Duques


Canne's Model.Cris-=)


Porque será, little brother? Que as mulheres daquele lugar,

Têm a mesma estranha interrogação

Têm vontade de tentar nos matar...

I really don’t know but still loving, i’ll make she call me “oh my Darling”

I shut her mouth, and make show at wild style.

Então que seja assim, não quero mesmo perder nosso tempo

Não quero que nem por um ínfimo momento,

Nós nos deixemos enganar

Tara Ra Ra Ra Ra Ra rara... Ra Lara Ra larara

Tara Ra Ra Ra Ra Ra rara... Ra Lara Ra larara

“Once again i reclaim my sanity, without fear of grow up in process

I’ll don’t have more nothing to trade… I don’t want your feets in my new place. “

E assim acabam ambos os romances, não vou tentar dar uma de importante

Nem vou chorar por quem nunca foi presente, só vou seguir botando mais quente

Tara Ra Ra Ra Ra Ra rara... Ra Lara Ra larara

Tara Ra Ra Ra Ra Ra rara... Ra Lara Ra larara

http://www.4shared.com/account/file/163235597/40c260a1/Duques_de_Ouro.html

O terno de três e um pouco mais.

Canne's Model. Horda,

Estou tonto com os flashs, de tantas cores decoradas
De tantas construções marcadas, e em cada falha a certeza da dor...
Espero tanto, a evolução dos teus sinais, a eclosão de guerra ou paz

Já nem me importa se é cedo, ou marrom

Já se perderam no escudo astral

Tantas meninas que aqui foram tuas

Casas já vazias enquanto estão nuaaaas...

Estou bêbado, quem sabe se com um copo de café
Meio cigarro, e uma dose de coca possa me deixar de pé,

Cada pano sobre a mesa, lembra um dia da semana,
Lavam-se as louças segue a limpeza, da diagramação dos teus pais

Às quatro já saíram dois dos teus amantes,
E este aguarda ansioso, próximo à estante
Descobre cada foto sua e tenta perguntar,
Mas logo que é possível o expulsas de lá ...

lá, lá, dó, ré, mi, lá, ré, dó ré

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Espaço Aberto, Corpo Fechado.


Canne's Model v.a.l.d.i.r.



Madre-Deus arrume o carro que vamos correr,
Por pontes de fumaça ou brumas de amanhecer.
Espere por todos os pecados antes que eu volte aqui
Amargue por todos os lados das histórias que ouvi!

Eu que estava ali à toa com sorriso de boa e um copo vazio na mão
Aprecio a gentileza do rapaz barbado á mesa, que por educação,
Chama gente e diz baixinho, " Fica ligado, que esse vinho é da banda."
Serve e no corre da noite com o orgulho de estar alegre a à pampa,
Nem sente o ar de romance à seu lado:

"_Vem cá! Moça das pernas compridas, acenda o incenso, derrame a bebida.
_Já é? Quem sabe até onde a corrida, de valentes corcéis de agonia nos levarão!"

Posto que eu sei, bandeira vermelha, tremula à esquerda
Não eu só dancei, com aquela moça de swing nas cadeiras
Te sai, seja qual for acusação sou inocente, seu moço não é erva é o cigarro da gente
Quer provar pra saber se eu tô ligado na sua?
Não vou, de jeito nenhum abaixar o volume, sou liberto das ruas, e do teu cardume
Filho da beleza da noite e da energia do dia!

Então :

"_Vem cá! Moça das pernas compridas, acenda o incenso, derrame a bebida.
_Já é? Quem sabe até onde a corrida, de valentes corcéis de agonia nos levarão!"

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Ariel


Canne's Model. Tara ra ra ra

Ariel de todas estas cartas já lidas
Espero que esta algo enfim te diga
Por eu crer na virtude da mudança
Repenso e me apego à cada esperança

De quem sabe um dia te reencontrar
Dar algo de novo e receber igual
Te amar é como castigar um desejo
Que me cobre toda noite em desespero

( A )

E vagamente a vida escorre de mim
Lembrando o abismo onde se escondeu
Cada frase desimportante do árduo fim
Cada doce afago ou beijo que se perdeu

Sem porque, ou pra quê.
Sem caminho ou razão,
Que amanheça ou dure pela eternidade
Só quiz morar no teu abraço ouvindo nossa canção
Sem tentar, sem negar
Tudo que já se passou...
Quem sabe? Quem liga?
É só outra oportunidade!

Se é que entendes baby ainda não vá embora
Hojé é tempo de crescer e renovar
Até porque a gente já passou da hora
E hoje pra sair alguém tem te tomar de mim,

Quero poder lhe falar meus clichês de 89
Com carinho poder ter com o travesseiro
Amarrar as pontas dos dedos nos teus cabelos
E beijar-te o pescoço como anjos-astrais
E cobrir-me com teu corpo até não aguentar mais,
Gritar sem medo Victória!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

T.O.C.




Canne's Model epilepsia.

Você sabe quantos copos há sobre a mesa?
Você conta quantos amores já se perderam na cama...
Tem em mente a textura e o sabor de cada beijo
Tem em si a sensação de que é a morte quem chama...

Ela se foi, e você está esperando na porta
A ordem é estranha e a realidade torta!
Ela se foi e não importa mais o que aconteça
Não vai voltar mesmo depois que adormeças.

Quente e úmido porto de embarcações fantasmas
Tiram vento de lagos, tiram corpos de sóis
Fresca e estrelada noite, de atrações macabras
Tentam por em seus filhos as trombetas de Moz.

Porque não há como evitar, a sobra de teus desatinos
E não há enfim como ordenar, cada detalhe em copos de vinho.
Ela se foi, e você está esperando na porta
A ordem é estranha e a realidade torta!
Ela se foi e não importa mais o que aconteça
Não vai voltar mesmo depois que adormeças.

Te contenhas em aproveitar, todo mel e ópio que te ofereci
Te aconchegues em qualquer lugar, e nunca diga que eu estive.
Porque ela se foi, e você estava esperando na porta
Toda ordem é estranha e a realidade torta!
Ela se foi e não importa quem a conheça
Ela não vai voltar, diga pra si mesmo desapareça.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Aquela que te faz mudar.


Canne's Model. epilepsia



Vamos resumir, 10 cartas seguidas da declaração
E também restringir, um pouco de tudo pra não se alongar.
Tempo pouco temos, o relógio conta mais por nós
Talvez em um ou dois anos ainda estejamos dentro dos lençóis.

Vida, nobre sentido que a humanidade tende à destruir
Dê-me um motivo, que me enoje ao ponto de me mudar
Corpo amado corpo, que preciso as marcas ao me apossar
Envolva-me e nunca se atreva à forçar ou tentar fugir!

Estava apenas brincando de lembrar
E já mudaram as fases e estações
Os dentes-de-leão e rosas irão secar
E pra nós resta o conforto, cheiro e os botões.

Vida, nobre sentido que a humanidade tende à destruir
Dê-me um motivo, que me enoje ao ponto de me mudar
Corpo amado corpo, que preciso as marcas ao me apossar
Envolva-me e nunca se atreva à forçar ou tentar fugir!

Por tudo ou por todos, não será fácil se livrar de mim
Teus medos me consolo, de te provar algo diferente
Que vícios irão se tornar, a transcrição de santa à delinquente ?

Hoje, ontem e sempre
Vou te querer em meu colo
Cedo a rotina que odeio
Se torna alívio, um bom negócio...

Vida, nobre sentido que a humanidade tende à destruir
Dê-me um motivo, que me enoje ao ponto de me mudar
Corpo amado corpo, que preciso as marcas ao me apossar
Envolva-me e nunca se atreva à forçar ou tentar fugir!

domingo, 1 de novembro de 2009

Fissura



Canne's Model. epilepsia. thi.

"A montanha permeava estóica, ante os muitos anos de chuva e sol, embora a retórica questão da imagem lhe fosse vaga à reconhecer um passado."

Quiz eu mudar, o caminho das águas
Pude evitar a tormenta até hoje
Dos tantos embates físico-mentais
Este foi o mais duro duelo e venci!

Nos pergaminhos achei o saber
Na dura rotina aprendi à ser forte
Por mim resistiria até morrer,
Mas Nimb não permitiria tal sorte...

E sob o canto, rufar e vibrar
Construí o vitral de sonhos repletos
Por tudo que dizes ser do teu gosto
Por tudo que ponha um sorriso em teu rosto!


Nos pergaminhos achei o saber
Na dura rotina aprendi à ser forte
Por mim resistiria até morrer,
Mas Nimb não permitiria tal sorte...

Mas possa ser, que um ser de tal aparência
Seja excluído do vosso olhar,
Mas trago comigo a nona demência
Como David, não desisto até o gigante tombar.


Nos pergaminhos achei o saber
Na dura rotina aprendi à ser forte
Por mim resistiria até morrer,
Mas Nimb não permitiria tal sorte...

E sob os fogos, amigos pasmem
Abre-se a fissura no diamante bruto
Que brilha à espera de corresponder
O fabuloso momento que tanto lutei x)

C's




Canne's Model.epilepsia.

Sei que não planejei ou por isso esperava
Você não tentaria, por fogo na nossa casa
Sei que nunca aceitei, mas você comigo estava
Você nunca estaria em cada nossa madrugada

Se C é o meu acorde, Se C é o meu desejo
Se C é quem eu chamo, Se C é quem amo
Se C é o meu acorde, Se C é o meu desejo
Se C é quem eu chamo, Se C é quem eu amo.

Chovem pesadelos e o sono não vem
Se sonhar acordado é tão melhor meu bem,
Já não adianta criar muros de ilusão,
Nem importam os alforjes da situação
Não vê, que o risco é algo á pensar?
Não crê, que o inferno vai chegar?

Quando o inferno chegar,
(Nós não vamos estar lá)
Quando inferno chegar
(Nós não vamos estar lá)

Se C é o meu acorde, Se C é o meu desejo
Se C é quem eu chamo, Se C é quem amo
Se C é o meu acorde, Se C é o meu desejo
Se C é quem eu chamo, Se C é quem eu amo.

Olhos de Fogo





Canne's Model. epilepsia

A décima primeira parte deste todo
É a digna parte das agulhas destituídas de beleza...

Eu que vim por ti tentar a sorte
Angariar todos os fundos
Eu vim driblar a morte
Sou a dama e o vagabundo,

Com olhos de fogo vos tenho em meu cativeiro
Com angústia te prendo e te ensino à força os dons.

Hoje pela manhã, tomei vosso café
Vesti vosso terno caro, e roubei vosso carro.
Enquanto me enraivecia das cores do sinal
Me prendestes à termos deste contrato virtual

Com olhos de fogo vos tenho em meu cativeiro
Com angústia te prendo e te ensino à força os dons.


Amanhã pela tarde, beijarei tua mulher
Afagarei tua filha, a ensinarei o bem-me-quer
Enquanto tu hibernas ante o sujo monitor
Irei eu, viver tua vida nobre doutor?

Ontem à noite recebi o salário
Gastei com mentiras, libertei teus dogmas.

Com olhos de fogo vos tenho em meu cativeiro
Com angústia te prendo e te ensino à força os dons.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Bed Of Fate


Canne's Model b.l.u.e.s.is.me


The boy, knew about girls
Knew about knives
Knew about cigars
Knew about fights

And

The girl, knew about boys
Knew about love
Knew about hugs
Knew about signs


But the place knew about booth of them
Show him how to make a bed of fate
And face her bodies into darkest shades
And let she cothies - off and alone in her own risk.

Confidents, cigars, fire and other instances
Blessed by the night, making the called " WILD SEX".

(G)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Anti-Romântico


Canne's Model. epilepsia.

Trancado no meu quarto, esperando você chegar
Cubro o relógio e o espelho, jogo as roupas no armário
Sabendo que amanhã, cedo você não vai estar lá
Garrafas já quebradas, confortam a falta do meu par.

Acorrento-me ao centro, deslizo nuvens e estrelas
Sugo teu sumo e vida!
Repenso cada momento, ignoro as placas da estrada
Do que um dia foi a nossa despedida...

Não conto os fios soltos, da renda do teu sutien,
Tiro teu cheiro de carne, que hoje brilhou em outro palco
E o que guardas nos bolsos, levam tua aura de inocência
Destruo cada memória, deste episódio pra não chorar!


Acorrento-me ao centro, deslizo nuvens e estrelas
Sugo teu sumo e vida!
Repenso cada momento, ignoro as placas da estrada
Do que um dia foi a nossa despedida...

( Girl get your money, and never come back here!
Cause i'm loving you, and that's will never be right.)

Acorrento-me ao centro...
(aaahaaaaah, aaahaaaa)
Repenso cada momento...
(aaahaaaah, aaahaaah)

Sambe com outro.


Canne's Model. epilepsia.



Samba pra mim meu bem?
Samba pra mim amor?
Samba pra mim meu bem?
Samba pra mim amor?


Mas você dançou com outro, mas você sambou com outro
Mas você dançou com outro, mas você sambou com outro.

No nosso carnaval não há espaço pra tristezas,
É um tanto radical, mas o que importa no fim não é a beleza?
Já não sei acreditar em todas estas desculpas,
Já não quero mais levar comigo toda essa amargura.

Pois você dançou com outro, pois você sambou com outro
Pois você dançou com outro, pois você sambou com outro.

Deixe a chuva levar o nosso amor ao fim,
Te fui o eterno amigo, fiz-me de Arlequim
Te dei segurança e afeto, te dei minha rotina
E me traístes com astúcia de uma Colombina...

Pois você dançou com outro, pois você sambou com outro
Pois você sambou com outro, pois você transou com outro.

Então samba pra mim amor, dança pra mim meu bem,Então samba pra mim amor, dança pra mim meu bem,Então samba pra mim amor, dança pra mim meu bem, samba comigo meu bem!

Retorno á Gaia


Canne's Model re.co.me.çar.do.zEr0

Trago-te em pensamentos das minhas incasáveis horas
Enquanto ferve um tempo, que teima em não ir embora
Já tive o gosto de um dia dar te a mão e um sorriso,
E hoje me enoja o cheiro de dor que não preciso

Ah, quem dera poder ser assim tão herege quanto pregas!
Ah, critérios transcendem a nuvem de minha praga
Que solenemente hasteia a bandeira enquanto esperam
O orgulho, o medo a falta do teu peito de um coração

"Ligue pra mim, não digas não.
Torne-me assim, manipulado por tua compulsão!
Não me deixes, digas sim.
Quem sabe a mudança de termos não seja ruim."

Já acabou a lenha e o fogo apagou, sim eu sou tão humano quanto ela esperou!
E ainda uso tão célebre a harmonica que trouxestes, e há um preço por ser tão pagão.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Nossa Dança

Canne's Model.setembro.

Queria que estivesses aqui.

domingo, 30 de agosto de 2009

Contos ;


Canne's Model.deixe.que.seja.como.tem.que.ser.

K. possuia uma variedade invejável de amigos, sua rotina quebrara-se todos os dias, fazer-lhes o bem, divertir-se com suas felicidades, eram seu modo de vida. Então ele seguia com as partes de seu ser que mais prezava, e nunca as deixava serem abaladas por ninguém nem mesmo seus preciosos amigos. K. rei de terras imaginárias, regente de planos astrais, e detentor de conhecimentos arcanos antiquíssimos, a jogatina, as paixões, a música e a velocidade eram apreciadas por ele e por isto dividia-as entre seus súditos.
K. nunca deixou-se abalar, abater ou influenciar por nenhuma das que com ele dividiram a cama. Ele fazia delas suas amigas, e quando não lhe eram mais interessantes, mantinha-as como amigas.
Houve um tempo, onde ele criou laços tão profundos por uma única peça, que deixou-se abater, abalar, influenciar, e por ela mudou seus hábitos, seus modos e alguns de seus interesses, para satisfazê-la ele abdicou de seu mundo, e ganhou medos.
Fez dela sua fortaleza, e à ela confiou todos os segredos que podia um ser compreender sobre K. . Ele estava tão extasiado por ser correspondido que não percebeu, que a peça se perdera, não aceitara, e não se interessava mais por ele. Então ele enxugou suas lágrimas, e percebeu que estava errado, que tal pessoa não era a alma que ele tanto ansiava, ela nunca esteve disposta à fazer parte de seu reino à seu lado. Tentou incansávelmente que ela criasse tal vontade, mas ela se recusava, e inconscientemente ( ou nem tanto ) magoou K. com sua interpretação de "viver a vida", era influenciada por outros tantos, que não reconheceu nela nenhum traço que lhe atraísse. Ele aguarda, triste em seu relicário de lembranças de uma peça que se foi...e idealiza, uma peça que nunca será completada, então aguarda o fim.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Pássaros Febris;



Canne's Model.Burn.

Ela queimou minhas pálpebras
Com reluzir de metais e raios-de-sol
As lágrimas já não faltam
Quiz descobrir e acabei redescoberto...

Incompleto...

Que há de fazer quando tudo em que se crê
Se despedaça, esfarela em suas mãos
Que há de sentir quando a loucura lhe escolher
Se hospedar no seu teto, paredes e chão
Irá temer até quando pode aguentar
Pode mudar e voltar-se contra a maré
Irá ceder todo espaço do teu ego
Pode dar certo ou errado depende de quem quer.

E indoloridos afagos de outro alguém
Alheios à tudo não te comoverão
E tentações, carinhos e querer-bens
Não significaram menos que um simplório bordão.

Faz-me-rir dos planos que não te contei
Das minhas doces ou amargas experiências
Tentarás seguir sem mim e conseguir
E destituirá minha vontade de viver...

Já à estas horas de insônia e tragos banais
Me preocuparei com teu frágil corpo celeste
Relembrarei bossas que eu só pra ti criei
Sambar no escuro do abraço que me destes

E o último beijo tão apaixonado, triste ou choroso?
Mesmo ali me negastes paz, e tão bobo aceitei!

Mata-me agora ou acolhe-me em teus braços
Espero as respostas que nunca me destes
Certezas que apenas partiram de um lado
Criaram lacunas de um míssel de testes


"Let me breath my love!
Cryng in the lonelly roads of mid-nigth

Turn me a complete ass hole
But honest with all this sadness time..."

A incompreenssão assolada de portas cerradas
Algemas que empunhei por meses á fio
Fiel às entranhas que tanto respeito
Afogo-me em prantos de promessas quebradas.

"I cannot take this anymore

I've felt like a one way street
Between hate or love

I've always choice her in any cause..."


Esperei sentado, em pé ou em movimento
E agora sem respostas, sem Norte sem saber
Guardei calado, cada desentendimento
Aguardo confuso outro amanhecer...
Não obstante, nunca suficiente, nem mudar por dentro lhe faz contente
Tentar desesperado, te ter em minha casa, queimar toda mágoa e sempre ter certeza
Uma andorinha só faz não verão, quando ela não tem toda força da imaginação!

Doente de infelicidade crônica?
Que eu hei de curar com toda certeza!
Posso esperar uma relação platônica?
Não há alegria sem antes tristeza!

Lutar contra tudo e todos é um esporte
De tão divertido me faz sempre reagir
Mas não por muito tempo aguento sozinho
Revezo com a morte, e espero ela vir...

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Queime.

Canne's Model.burn



Obrigado por tudo, obrigado por nada
Espero sinceramente que me perdoe,
Por ser quem acredito ser correto
Por crer na infame ideologia da emboscada.
Quiz eu que cada detalhe de minha existência
Fosse em função de ti, e fiz com que se cumprisse
Cada medíocre verso ou simples pensamento vão
Cada distúrbio de meus momentos, a suma essência.
Nunca antes em meu peito, enfileirei tantos picos
Tantos ápices e apogeus, das mais variadas origens
Timbrei meu selo em papel carmim, te assumi e te escolhi
Para minha eternidade que tanto desprezastes
Criei os caminhos onde não existiam, e neguei um ser que havia dentro deste.
Apressei meu retorno à morte, à terra e ao céu.
Adoeci por em ti ser viciado, por te ter como centro de uma vida que não escolhestes.
Busquei incansávelmente respostas nas minhas questões
Indaguei à tristeza e solidão, onde teria errado ou deslizado
Que parte não pude compreender ou executar
Mas sem resposta, gritei teu nome, enquanto tentava ouvir tua resposta.
Como eu não me pertencia mais, aguardava com paciência e apego
Destroçava minhas certezas, e cada falha tua me fazia sangrar.
As ameaças e contendas insensatas e duradouras,
Não foram bastante para teu ego, pertences à ti mesma e não à mim.
Não posso lutar contra o que és. Tão diferente e tão igual.
Podes ser arredia e complexada à teus desígnios.
E eu posso ser quem tu queiras que eu seja, mas nunca estarás satisfeita
Então vá á merda com o que acredites, e eu servirei como péssima recordação.
Ou mude sozinha, ja' mudei mais que deveria, e já te dei mais que eu poderia
Sinceramente não aguento mais. Te amei demais, e te deixei seguir sempre como quizestes.
Nunca me opûs, nem ao menos questionei, ate' onde me foi possível, evitei entrar em atritos
Mas vejo que estou sozinho, aqui ou lá.
Sempre estarei sozinho... triste e sem retorno de uma forma de amar insandecida, louca decidida de corpo alma, mente coração. Nunca irás me corresponder ou ser tão apaixonada quanto eu, nunca irás simplesmente ignorar os demais, e ouvir apenas o que o meu coração tem à te dizer.
Ou talvez eu esteja errado, em pensar que te amar com todas as minhas forças, e esperar reciprocidade disto seja pedir demais, pra quem não confia, tão cegamente quanto eu, num sentimento que é abrupto e carregado de tanta dor e felicidade, por fim.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Tendeu?


Canne's Model.Child's.Play.

Conheço uma criança
Que se acha uma relíquia oitentista
Ouvindo U-2, grita, gira e dança
Planeja um futuro realista

A incomodada, irritada
Confusa e sempre armada
Com sua igreja, amigas, mãe e trabalho
Ainda arruma um namorado

(Tendeu?)

No franzido de testa, bochechas e sardas
A conversão de todos caminhos
No estridente riso e abraço
Frescando com os pilantras da vida...

(Tendeu?)

A indecisa, imatura
Impaciente cabeça-dura
Acomodada com a realidade
Incomodada com a verdade

Mas que no fim tudo ignora, apenas quer ser sempre amada,
Eterna criança mimada, voltando ao carinho do lar
Não há quem realmente à mereça com todas essas qualidades
Talvez um ou outro tente e force, mas talvez ela não queira no fim... crescer.

(Tendeu?)

Irei tentar criar a criança, e aceitar seus desatinos
Quiz sempre prestar à esperança
Digna homenagem e assim !
Choro em cada incompreensão
Faço desta um novo sermão
E espero solitário e triste, que tal criança me alegre. Tendeu?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

E tudo acaba em "Pizza"


Canne's Model.conciliar?

Ninguém parece entender como somos
Mesmo entre similares gostos e vícios
E ainda tentamos indiferentes à isso
Moldar nossos amores para um equilíbrio platônico
Ainda irei alcançar tua Vida
Tuas escondidas vontades e sonhos,
Tão distantes dos que quero pra mim
Por opções que só eu acredito pretendo fazer, um "nós" nascer
Criar laços mais fortes que o titânio
Ferver os sentidos e situações
Pra que enfim tudo tenha valhido
Pra que não sintam pena da minha decisão

" Poor little boy, sad like a angel tear
Near the death;
Poor little boy, insane by his folish fear
That love can be forever..."


Devemos pagar pelo crime infame de sermos iguais,
Podemos cometer o pecado de aceitarmos ser diferentes.

" Poor little girl, unhappy for indesicion
Made by her fault
Poor little girl, no mather what happens
She always be the center of her world"


E quando cedo, pede espaço,
Quando atencioso fico
É sufocante demasiado,
Quase não lhe acredito
Qualquer hora vou dizer baixinho ao pé do ouvido: " Cuide-se meu bem "

Tornarnar-me-ei lésbico e aplaudido com a crítica ao meu lado
Um futuro tão mediocre, pode ser pelo meu passado
Não escolho em vão ou me arrependo, apenas vivo por ti
Se estou triste ou me sinto sozinho, acredite ainda assim
Irei te cantar, e amor desesperado, seja antes ou agora me mate, me despedace mas nunca:
Duvides de mim.

Cái a noite, visto capa e alforje,
Me encapuzo com teu manto
Escolho a minha própria sorte
E não devo nada por meu canto...

Livres sonhos, acordados, pensamentos, libertários
Louvo-te ò Diva, e em glória resplandeça em mim

sábado, 15 de agosto de 2009

Rafa. ( SHOT THE LITTLE SISTER?)


Canne's Model.Punks.hard.heavy.


irmã de mente e coração.

Todos te querem baby
E tu não queres ninguém
Todos dizem ''so crazy''
Mostram o inglês que não têem

O cabelo de aquarela
A infantil, voz tão madura
Não a chame de Rafaela
Que ela perde a doçura

The fuck'n insane friendship
Computer made by year
Makes a feel so happy
How my little sister always be.

O cabelo dela de aquarela,
A infantil voz tão madura
Não a chame de Rafaela
Ou ela perde a doçura

Lendo meus lábios malborizados
Tomando a cana de toda uma cantina
Indicando sonhos plastificados
Absorvendo, e aprendendo com a mulher menina.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

As Flores de Sophie


Canne's Model.My.Child.

Intro

E-A/E-Am-D7

G D A7 D

E A/E Am D7

Colhem os girasóis do caminho
Sophie acorda muito bem
Indisposta à lhe ensinar
Acolhe o charme de um certo alguém...

Margaridas e lírios no banheiro
Banho de alfazema já se vai acabar
Chocolate em pó colher de açucareiro,
Desjejum da princesa do nosso lugar.

Nove horas foram a solução
Amigos de pátio insistem em brincar
Levados perdem mais um botão
O menino que gosto logo irá chegar...

" Se eu pudesse ter todas as cores,
Me seriam úteis os pincéis
Mas se eu pudesse ser todos os odores
Enebriaria os alvéolos dos céus.
"

Violetas murcham na velha janela
Livros rasgados no meu porão
A mãe, o pai com ti sonham e esperam
Criando luz e à dividindo com escuridão.

domingo, 9 de agosto de 2009

Vícios;


Canne's Model.R;o;d;a;



Me enterrem entre mil quatrocentos e quarenta pessoas
E e aguardem fielmente que em tal local eu morra.
Não reterei teu rancor, mágoa ou ressentimento
Tudo que eu sempre quiz foi um prazer de momento;

Nas frívolas rodas de amigos de longa data
Me encolho na certeza de que logo irá acabar
Escolhidos à dedo, pela nicotina ou uma lata
Eu me envolvo no turbilhão de socos no meio do bar

Go Hot DAMN Jerkyes, The youngest fake idealist is dead.

Olhares desejando sangue e brilho turbinados
Maquinam contra meu corpo e o aguardam se aproximar
Meias rasgadas e um trago, logo estamos pelados
E acordamos noutro dia sem saber que estamos lá;

Gritos em coro e corpos voando no olho do furacão
Bêbados em suas mesas esperando o amanhecer
Restos de um baseado e vidro no meio do salão
Cortam pés desavisados anunciados ao beber.

Go Hot DAMN Jerkyes, The youngest fake idealist is dead.

Vamos errar e ser perfeitos, e acreditar no que ainda e' direito
Vamos fazer revolução, de livros e idéias em mãos;
Quando nada surtir efeito, queimemos os que não se importarem.
Quando outro Füher ascender, não deixemos nos conter.

sábado, 1 de agosto de 2009

A Tríade.



Canne's Model Eu.Ele.Tu e Nós;


No princípio haviam os " paradisiums "
Eles não se contentaram juntos,
No começo havia a curiosidade,
E mesmo que eu tentasse rejeitava o mundo:

Girar, e crescer, como qualquer qualquer um, pudesse enfim
Em algo crer, em alguém tentar, em conseguir, a façanha de ser você;

- ( G ) - -1 1 2-2 3 -3 -3' -4 56 -6 -5 5 -5 -6 654> -4-5-6<

Então nas noites que não tinham fim
A impaciência, insônia ou algo afim
Revelaram o primeiro de nós
A unidade plana do equilíbrio dos nós

Girar, e crescer, como qualquer qualquer um, pudesse enfim
Em algo crer, em alguém tentar, em conseguir, a façanha de ser você;

T-0


Mas em mundo de vários mundos internos

O frio, o escuro podem ser seguros

A inconstância dos trastes do meu inferno

Podem sentir tua estabilidade precisa...aaaah!

Girar, e crescer, como qualquer qualquer um, pudesse enfim
Em algo crer, em alguém tentar, em conseguir, a façanha de ser você;

Os filhos desataram os laços de sangue
A mãe os rejeitou e o pai morreu
Logo os descobri em um sertame
Perdendo noções de quem era eu

Um dia, os dois poderão jurar fidelidade
E uma noite, talvez seja melhor não dizer a verdade

Girar, e crescer, como qualquer qualquer um, pudesse enfim...

Em algo crer, em alguém tentar, em conseguir, a façanha de ser você;

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Caramelos.

Canne's Model.

Compre um doce depois da esquina
Me afogue naquela água imunda
Queime minhas costas dentro da piscina
E diga que lhe traí com uma vagabunda

Já podes, seguir sem perder tempo comigo
Já podes mentir pra si mesma e me ter só como amigo
Ou talvez por menos de um segundo, tu me digas
Me arrependo e te quero em meu mundo...

Uhum...

(Todas as promessas e sonhos que tivemos
Todos os deslizes e fugas que escolhemos
Nos fazem ascender todo o fogo e muito mais
Nos fazem ver que valeu à pena tudo atrás)

E nós vamos seguindo, a evolução dos chamados
Ditos, ou idealizados, E tentamos, sumimos, intercalando os nossos lados...

(-7777 -65 6-5 55 6' -8 6-7-6 -7 777-65-5'' 6677-7-655-54-4')

E enquanto cuido dos calos nas pontas dos teus dedos, eu te beijo cantando segredos...
E Enquanto o sangue não me assustar,
e o vinho da tua boca não mais me embriagar
Vou tentar de toda e qualquer maneira, te manter ao meu lado, na tristeza ou brincadeira
Vou fazer tudo aquilo e muito mais, mas baby não espere que eu aceite tudo em paz.

Olhe os muitos dias se vão, e talvez a lua espere não pra ser tão bonita
Quanto os teus sorrisos ou tua cara engraçadas, quando te mostro o espaço da pré-madrugada.

Hum...

Já se acabaram os doces e os poemas
Já jk~ko

quinta-feira, 9 de julho de 2009

UNsort

Canne's Model.



Já é tarde amigos eu tenho que seguir sozinho
Tolices à parte a arte de criar seu caminho,
Escolher as pessoas mais erradas que eu
Fazer de conta que essa história nunca me envolveu ;
E com isso eu vou destruir minha vida
E por isso sou marcado por Rafael
E com isso eu vou aumentar as feridas
E por isso eu nunca irei pro céu...

Não tenho medo de encarnar todo o mal

Estradas vazias, meu destino final

A morte e' certa e o intervalo um mistério

Não comece uma briga que não vá levar à sério.

Parem de pensar que tudo uma hora irá dar certo
Esta ilusão é infantil demais pra encarar o mundo.
Não façam planos acreditando no que lhes é correto
Matem seus sonhos antes que vocês morram juntos.

E eu estarei sorrindo, vendo que não sofreram tanto quanto eu
Bem antes que amanheça outra vez, e o desconforto nos carregue
Ligue-se ao sistema antes que ele o corrompa e não diga o que aconteceu
Por fim não sejam tão crentes em sentimentos e prazeres, deixem que os levem...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Rejected.


Canne's Model.não.

Jetty


Eu escrevi por muitas horas, e acabei me machucando mais que deveria, então apaguei. Escrevi aqui porque meu corpo estava fraco, e mecanicamente meus pensamentos correm pelos dedos aqui, transformando-os em palavras. Em síntese recuso-me a aceitar, que tudo que vivi foi uma mentira, pois prometi pra mim mesmo não iria desistir do que houve de mais belo em nós.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Feche os olhos pra ver.


Canne's Model.all.alone.



The Marrietè Capt 01


Ele cronometrava impaciente o tempo que não tinha. Com muito esforço se conteve por uma hora e vinte minutos, cravou os olhos no escuro, e permitiu-se elevar à outro plano.
Ele via seus medos vestindo togas monocromáticas, simples e discretas, sem muito pra lembrar, ele aguardava o frio na espinha, o arraso das suas preocupações, e aguardava que duma vez por todas, suas fobias e falhas se fossem em um segundo.
Por um erro desapercebido, não estava onde devia estar, e mecanicamente achava que loucos eram os outros para quem nem olhou.
Perdia-se em sua auto-piedade, compaixão ou qualquer sentimento que lhe coubesse, enquanto lhe esvaiam a serenidade, paciência e lógica.
Sozinho e estranhamente incompleto, sem ter como reagir à pressão aplicada sobre ele e em consumo exacerbado de substâncias viciantes, aguardara seu anjo o acordar como tinha feito em uma lembrança distante.

O Pária gostaria de o eternizar em arte e sentimento, e assim seguir em sua egoísta busca pela volúpia efêmera, instável e dolorosamente sem continuidade, sem esperanças de um futuro.

Estava pouco se fodendo se ali morreria, mataria e quem sabe até procriaria, como em toda a vida medíocre que arrastara até o dito momento, só quiz que suas aflições e prazeres, fossem sanados naquele instante.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Nostalgia


Canne's Model.stupid.reflection

Quando éramos crianças, o mundo era tão menos duro conosco, e teimamos por crescer depressa, e corremos contra o próprio sentido e momento adequado.

Quando fazia frio, nos esquentavam, quando tínhamos fome, nos saciavam, quando ansiávamos por colo, nos aninhavam...

Quando queríamos dinheiro, R$ 1,00 era uma FORTUNA! Quando juntei R$ 100,00 me achei o Bill Gates, e logo aprendi que seu sistema operacional era uma tortura.

Quando pensava em alguém não doía tanto, quando estava ao teu lado era mais que um encanto, me saboreava de tua companhia e queria à teu lado estar sempre asssim, um tanto confuso, um tanto maldoso, era adocicado o Beijo do Arlequim, era transportado à outro canal, era orientado à nunca ter rival!

Mas os tempos mudaram...e veio a inflação, muito tempo escondido, mudando, em atrito aquela confusão, e confrontar, de perceber que estava mudando, que meu bem não sonhava comigo, e nem nos dias frios de chuva me escolhera.

E partilhávamos contos sem nunca mencionar, e viajámos juntos pra outro lugar. Tropecei em um ou outro destes teus desatinos, fiz crescer o olho e logo me calei, era bom demais pra ser por mim tocado, era puro, alvo e angelical! Pra meu toque de morte calejá-lo em prantos demasiados...

Mas nem o tempo escolheu, nem os mares cederam...
A chuva já se escondeu dos ventos que à tentaram beijar!
Tempestade !

Bravos aqueles que te dominam!

Ver verdade onde queira ver !

Ser de fato bem simples, Vida eu e Você;

sábado, 4 de julho de 2009



Canne's Model.b.e.m.
Reservo-me à dizer, viva comigo
Desfrute da carne, do vinho e do pão !
Escolha as respostas que mais te convir.
Corte as rédeas da tua criação, antes que isto custe algo mais danoso.
E será como hoje, como sempre, como ontem e depois,
E te fartarei de tanta vitae que não poderás mais negar nosso abraço;
Menos que a eternidade é o que espero,
Que pelo tempo que experimentares de mim, não te seja mais necessário respirar.
Dominemos com nossos enlaces rijos as pernas na ciranda
E aceites sem medo ou resignação teu corpo.
Abismos hão de ser soterrados e barreiras colossais rasgadas!
E por hora a presa, caça durante o dia e se abriga na toca do algoz na madrugada silenciosa
*ou nem tanto*

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Traga-me luz por favor.


Canne's Model s.a.d.a.g.a.i.n.

O amor me trouxe a luz... mesmo que há muito eu a rejeitasse
Amada estive à procura de um bem maior,
Que estivesse à altura de ser de verdade
Já se foi perdeu a graça, restaram as farpas e amargura!

Baby eu devia estar contente por ser assim inteligente meio pop-ular,
De todas as belas mulheres, que escolhem por mim assim mesmo estranho cada par
E por estar tão bem contente, faça chuva ou sol quente vôo para ver o meu amor
Dar certo com a esperança de ser o que ela espera mas que pena EU NÃO SOU!
Nada do que eu digo faz sentido algum
Minha Vida, meus pecados meus amigos
E é tamanha a complexidade dos meus erros
Que não julgo até onde vão me levar ...

Baby eu devia estar saudável com minha casca reciclável de tecidos bem ruins
Devia crer no impossível, ver vitória no inatingível só pra ser o tal
Que turrão, bobo ou lunático acabo sozinho, triste e doente no final
Mas bem que não é segredo devo ser amaldiçoado, louco ou afim...

Nada do que eu toco vira ouro
Se despedaça com meu hálito impuro
Todos os meus segredos eu lhe dei
Mas brincastes comigo e com meu mundo

Porque? Tenho que ser dessa história o vilão ;
Não me apavoram as tuas mentiras da situação
Estúpida glória de me ver triste, vazio e escravo do teu desejo,
E o tempo corre, logo volta a rotina, e eu volto à ser tua carta fora deste baralho !

Todos dizem, deixe ela ir, escolha de quem não te quer ver ser feliz
O escuro que tanto a apavora, me cobre e me guarda enquanto todos vão embora
Mas um conto reservado da tua intolerância
E tanto aguardo à fé e esperança
De talvez baby um dia me compreender,
Escutar minha voz antes de me bater...
Escolher as palavras antes de me atacar,
Ser MINHA sem motivos, só por me aceitar.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

SOBERBA!


Canne's Model.perdendoirmãos.

Já há tanto que não te escrevo, que ficaram velhas todas as novidades, mais uma noite em claro, porém destas 3 últimas
que passo em especial, recordo-me de tudo que planejei, e de como algumas pessoas desfiguraram idéias que aprumei
desde sempre. Os alemães e britânicos ainda estão em conflito, hora um ascende, ora outro toma posição superior,
já me farto de ser um medíocre mediador, espectativas vãs entre arpões de ambos os lados...
Cái na rotina, seres ilógicos estes humanos, por vezes tentam a paz através de guerras, as mais importantes
são as que se aglomeram interiormente, consumindo nossas vozes, aquelas que lembrávamos, os toques, e risos
que se espalhavam e nos uniam, se perderam no vácuo das solidões interiores, de quem quer ter mais do que pode
carregar nas mãos, e tropeça na "inferioridade alheia" sentindo ou atropelando os sentidos, quem dera eu ser a
vítima, mas sou tão culpado quanto, por deixar tal situação crescer à ponto de não controlá-la ou compreendê-la.
Quando tentamos servir aos desígnios de outros, corremos o risco de ter estas decepções, e agora, em reflexão dolorosamente racional, percebo que o único e correto caminho, é aquele que tanto temia, escolher entre a afeição dos demais e a quebra deste último paraDOGMA pessoal, trabalhar por mim, ou por quem eu não mais conheço...
Entender e ser condizente ao que meus olhos, ouvidos e coração urram ser equivocados.
Despedir-me de tudo, e seguir vagando pelas ruas tão cheias, tão vazias, tão claras e tão sombrias.
Tomar a mão dela, e correr pra qualquer outro lugar onde a minha voz seja ouvida, e onde as marcas sejam escondidas!
Onde passado signifique aprendizado, e futuro, somente espectativa, não irritabilidade, não mais.
Prepare as malas baby, here we go to the other side of Marshall Pine Street.